Blog

Quando falamos em “diversidade humana” não estamos falando de uma minoria. Não estamos falando de algo novo, um modismo. E tampouco existe uma conotação negativa vinculada a este conceito. Este artigo procura desmistificar questões que algumas pessoas, por desconhecerem informações sobre o assunto, acabam taxando, rotulando e até criando condições de exclusão em relação a um grupo social ou outro.

No ambiente corporativo, saber conviver com a diversidade humana é um diferencial e traz benefícios que vão além de um convívio harmonioso. Essa é a conclusão de algumas pesquisas que vem sendo realizadas recentemente e cujos principais resultados compartilharemos neste artigo.

Lembro da época em que as palavras “diversidade”, “acessibilidade”e “inclusão” estavam mais para um dicionário marciano do que o português. As empresas estavam tateando no escuro, aprendendo na prática a contornar seus desafios rumo a uma gestão mais humanizada e inclusiva. Naquele momento, havia poucos querendo promover a diversidade de fato, mais um tanto querendo usar o tema apenas como ferramenta de auto-promoção e uma grande maioria sem saber por onde começar e/ou desconhecedora do assunto.

Relacionar-se com outras pessoas está longe de ser uma tarefa fácil e tranquila. Pontos de vista diferentes, crenças pessoais e vivências particulares. Tudo isso, aliado à correria desenfreada de nosso dia a dia, dificulta que consigamos olhar o mundo com a perspectiva do outro. O resultado são desentendimentos, mal-entendidos, separações, demissões e até brigas físicas. O que o mundo está mais precisando é de empatia, que é a capacidade que o ser humano tem de se colocar na pele do outro e compartilhar emoções, sensações e ideias. Quando lidamos com pessoas muito diferentes da gente, a empatia torna-se pré-requisito básico para uma relação respeitosa e construtiva. Segundo neurocientistas, cerca de 98% dos seres humanos têm a capacidade natural de empatizar com o outro, de entrar em sintonia com o mundo e os problemas de quem nos dirige a palavra. E por que é tão complicado fazer isso quando o assunto é afro descendência, identidade de gênero, orientação homoafetiva, deficiências e gerações?

Confessa, vai. Você tem um monte de perguntas sobre o universo da pessoa com deficiência mas nunca achou respostas. Seja porque perguntou para quem também tinha vários pontos de interrogação na cabeça ou porque acabou esquecendo de pesquisar sobre o assunto mesmo. Bom, não importa o motivo. Neste post vamos responder a algumas das perguntas mais comuns de pessoas sem deficiência sobre o dia a dia da pessoa com deficiência. E se houver alguma dúvida não atendida, mande para sua perguntinha pra gente, ok?

Ao contrário do que muitos pensam, a quantidade de brasileiros com alguma deficiência não é pequena. Não é um ‘nicho’ de mercado. Segundo o IBGE, os números são surpreendentes:

Ver todos os posts